Contacto Geral 263 006 500

O CANCRO CUTÂNEO

 

Dra. Sunita Dessai

Diretora do Serviço de Dermatologia

maio 2015

 

 

 

O cancro cutâneo, nomeadamente o Melanoma, continua a ser a principal causa de mortalidade por doença de pele no mundo ocidental, constituindo um sério problema de saúde pública. O cancro de pele é definido pelo crescimento anormal e descontrolado das células da pele. O melanoma cutâneo, o mais perigoso dos tumores de pele, tem a capacidade de se espalhar pelo corpo, sendo menos frequente, mas a sua incidência tem vindo a aumentar. Cerca de 75% das mortes por cancro de pele são causadas por melanoma.

Melhorias na deteção precoce, através de medidas educativas, campanhas de sensibilização e mudanças de hábitos, podem vir a inverter a tendência crescente de incidência do melanoma. É de crucial importância perceber como o prevenir e sempre que houver suspeita recorrer atempadamente a um profissional de saúde, visto que quando diagnosticado em fase precoce é tratável.

Estão bem estabelecidos alguns fatores de risco para desenvolver cancro de pele, incluindo história familiar de cancro de pele e a presença de múltiplos sinais. São mais vulneráveis as pessoas de pele, cabelo e olhos claros, com sardas, pele que se queima e nunca bronzeia quando exposta ao sol e que sofreram queimaduras solares durante a infância. Os bebés devem ser mantidos longe do sol, visto que uma queimadura solar na infância pode duplicar o risco de mais tarde se desenvolver um cancro da pele.

Ao longo dos tempos, assistimos a uma mudança de atitude que promove a maximização da exposição solar, incluindo um aumento das atividades recreativas ao ar livre, mudanças do estilo de vestuário e exposição aos solários, particularmente em idades jovens, que têm sido associadas a um risco aumentado de cancro de pele. É importante estar alerta para o reflexo dos raios solares - na neve (85%) na praia (20%) na água e na relva (5%)- pelo que estar à sombra de um chapéu de sol ou toldo não é suficiente para evitar escaldões.

Para minimizar o risco de desenvolver o cancro de pele é aconselhável habituar-se a realizar o auto-exame da pele (com ajuda de um espelho ou camara digital) e procurar alterações de qualquer sinal ou mancha que lhe pareça suspeito, diferente dos outros. Pode detetar estes sinais com a ajuda do método ABCDE: A quando o sinal é Assimétrico, B com Bordos irregulares, C com Cor heterogénea ou variada, D com Diâmetro superior a 6 mm, E significa Evolução recente no crescimento. Esta atitude permite em muito casos detetar precocemente o melanoma maligno, o tumor de pele mais perigoso, já que pode metastizar. Este tumor atinge preferencialmente grupos etários mais jovens, tendo com frequência um crescimento acelerado, pelo que requer um tratamento imediato.

Nesse sentido, é aconselhável adoptar medidas de proteção, como proteger a pele e os olhos através da utilização de roupa apropriada e óculos com proteção UV, aplicar protetor solar (índice 30-50) a cada 2 horas e 30 minutos antes da exposição solar, nunca usar o protetor para prolongar a exposição ao sol e não esquecer de o aplicar nos dias nublados, uma vez que 90% dos raios UV passam através das nuvens. Usar chapéu de abas largas, principalmente para pessoas calvas. Deve procurar sombra e não se submeter ao sol nas horas de maior calor (das 11h às 17h), evitar solários e queimaduras solares. Em qualquer lugar do mundo, siga a regra da sombra: é segura a exposição ao sol quando a nossa sombra é maior que nós. A exposição ao sol deve ser realizada com moderação, ao início e ao fim do dia. O sol tem benefícios como a produção de vitamina D. Assim, exponha-se gradualmente ao sol, pois a pele necessita de tempo para se adaptar e tem memória do sol que apanha desde a infância. Consumir frutas, legumes e beber muita água é necessário para a proteção da pele e equilíbrio orgânico. Consulte os índices de ultravioletas antes de sair de casa, através do site do Instituto Português dos Mar e da Atmosfera.

A deteção e o tratamento precoce são decisivos para reduzir a morbilidade e mortalidade. Se tiver alguma suspeita ou dúvida, não hesite em consultar o seu médico.