Contacto Geral 263 006 500

DEIXAR DE FUMAR É POSSÍVEL

 
 

Dra. Paula Rosa

Diretora do Serviço de Pneumologia

julho 2015

 

 

Somos bombardeados diariamente com “soluções mágicas”, que prometem acabar com o hábito de fumar num estalar de dedos! Os fumadores ficam suspensos num impasse difícil de resolver:

- “Devias ir experimenta! A amiga da minha prima foi e nunca mais fumou!...”

- “E se eu for e não conseguir” pensa o fumador...

Quantas vezes a tal amiga da prima volta outra vez a fumar, e até mais do que antes!

O fumador sabe que deve deixar de fumar!

Sabe que o tabaco causa cancro, muitos cancros (pulmão, laringe, esófago, estômago, pâncreas, intestino, rim, bexiga...), que causa doenças cardiovasculares (enfarte do miocárdio, doença arterial periférica), respiratórias (Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, pneumonia), digestivas (gastrite e úlcera de estômago), sabe que causa impotência, agrava as doenças que já tem, como a asma ou a diabetes...

Sabe também que o fumo do seu tabaco prejudica os outros, principalmente os que vivem consigo e, em especial, compromete o desenvolvimento do feto no caso das grávidas fumadoras. Isto, para não falar do cheiro a tabaco que o fumador traz sempre consigo, dos efeitos do tabaco na sua pele, nos dentes, no hálito!

E, em cima disso, a incapacidade de cumprir promessas: “ Ó mãe não fumes!”, ”Ó avô deixa de fumar!”; de ser exemplo: “O meu professor também fuma!”; “Os meus pais fumam!”.

Sim, o fumador sabe isso tudo, mas ainda assim continua a fumar! Sente-se mal consigo porque fuma, mas não consegue parar!

Procura então para si próprio uma razão para o fazer “Dá-me prazer!” “Acalma-me e ajuda-me a relaxar!” “Eu paro de fumar quando quiser!”  Mas , na verdade, sabe que, quando decide parar começa a ficar irritado, angustiado, com dificuldade na concentração, com insónia ou a tremer e... só consegue pensar em fumar!

O que por vezes o fumador não sabe, ou não quer admitir, é que está dependente da nicotina! É por isso que não consegue parar, é por isso que fica em privação (irritabilidade, angustia, insónia, tremor ou dificuldade na concentração são sintomas da falta da nicotina!) e vai adiando a decisão de deixar de fumar!

O que por vezes o fumador também não sabe, é que fumar implica uma decisão – a de deixar de fumar; mas também implica uma estratégia - a de decidir a forma como o vai fazer.

Ser não fumador faz todo o sentido! 

Na verdade, ninguém fuma ou precisa de fumar quando nasce!

Mas, ficar dependente da nicotina é muito rápido e subtil. Quando dá conta, o fumador já está ao “serviço” do cigarro que lhe “diz: agora tens que fumar e, se resistes eu não te deixo descansar!”. Nessa situação, o fumador entra em pânico e fuma! Faz a vontade ao cigarro, mas não a si próprio!

É por isso que a decisão a tomar pelo fumador é: fazer a vontade a si próprio e parar de fumar!

 

De seguida, tem que decidir como fazer para parar de fumar. Cada fumador tem que encontrar a sua estratégia, que deve sempre incluir a marcação do dia em que vai parar e prepará-lo, como quem prepara um acontecimento especial. Afinal é disso mesmo que se trata: um acontecimento especial!

 

A estratégia pode também passar pelo recurso a quem tem experiencia para o ajudar. E existem muitas formas de ser ajudado: consultas médicas (listadas no portal da saúde, neste LINK )

sites como www.exsmokers.eu/pt-pt/index .html,

blogues: